Quem conta um conto, aumenta o gosto #1 – Atum de Barrica

Na área da gastronomia, tanto para os que comem como para os que cozinham, é essencial ser refletida a origem e a história dos produtos e receitas em questão. Como tal, criei esta rubrica, com o objetivo de aprofundar a história, revelando curiosidades e aspetos marcantes na nossa alimentação.

Falemos de Atum de Barrica, um prato tradicional da zona Oeste, também conhecido por Estupeta de Atum na zona Algarvia de Vila Real de Santo António. Em que o atum sofre o mesmo processo de conservação, mas é confeccionado de maneiras distintas.

Atum fresco

No século XVIII, muito antes da existência da conserva, devido à sazonalidade do atum, os pescadores sentiam a necessidade de conservar o peixe que apanhavam, de maneira a o consumirem posteriormente nos meses mais rigorosos.

Após captura eram retiradas as cabeças e entranhas ao atum, que era escalado e cortado em postas e depois, em barrica de madeira, era alternado com camadas de sal. E quando se submete o peixe a uma salmoura saturada por um período de tempo longo, dá-se uma modificação drástica de textura e sabor.

Quando são introduzidas as modernas técnicas conserveiras, este atum em barrica passou a ser considerado um produto mais pobre. Só de aproveitamento das partes mais escuras do atum, que incluíam a parte da barriga, o forro das costelas e a preciosa ventresca, que antes de ser iguaria gourmet, era ignorada e rejeitada pela indústria conserveira.

É assim consumido até os dias de hoje… Na região saloia, depois de demolhado durante, pelo menos, 24 horas ou lavado intensamente até ao teor de sal ideal, o atum de barrica é cozido com batata, cebola e couve portuguesa ou grelos. Já no prato é regado com um bom azeite (obrigatório) e vinagre (opcional). E acompanhado pela tradicional água-pé.

Atum de Barrica
Com batata, cebola e grelos
Acompanhado de água-pé

Ao fim de 25 anos, provei atum de barrica! E fiquei rendida à sua simplicidade! O aspeto não é o melhor, mas é altamente saboroso, avinagrado como eu aprecio, e duma textura inesperada ao se desfazer em lascas.

Hoje em dia, não se compra só em mercados e peixarias, já existe à venda em alguns supermercados! Se nunca experimentaram, façam-no!

Maria Lagariço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s